BOLETIM JULHO/2020

1 de julho de 2020
NOVA PLACA SOLAR
Uma equipe da Universidade Nacional de Singapura desenvolveu um novo tipo de célula solar que usa o contraste de sombra e luz para gerar eletricidade.
Para isso, foi depositada uma camada superfina de ouro sobre o silício, semicondutor que já usado atualmente.
A luz que incide no silício energiza seus elétrons, enquanto a camada de ouro produz uma corrente elétrica quando parte do dispositivo está na sombra, pois excitados pela luz do sol, os elétrons migram do silício para o ouro.

HIDROGÊNIO
A Alemanha tem o compromisso de se tornar um país neutro em carbono até 2050. O exemplo mais evidente é a aposta no hidrogênio onde investirá nove bilhões de euros para estimular o novo combustível em sua matriz energética.

USINA DESATIVADA
Construída em 1895, a antiga hidrelétrica Comburataí (1,7 MW) no município de Rio Claro (SP), teve sua operação comercial suspensa pela ANEEL, que considerou que após 125 anos de funcionamento, a mesma perdeu sua condição operacional

CASA INTELIGENTE
O Centro de Pesquisas da Eletrobras (CEPEL) financiará quatro projetos de edificações dentro do seu programa NZEB (Nearly Zero Energy Bulding), que prevê alta eficiência energética com geração distribuída a partir de fontes renováveis associadas e um balanço anual energético próximo de zero.
A configuração deverá permitir a demonstração de conceitos e tecnologias comerciais de equipamentos nas áreas de eficiência energética e de geração distribuída, bem como de técnicas da arquitetura bioclimática.
Cada projeto receberá R$ 1milhão para a execução da iniciativa.

FONTES ALTERNATIVAS
A fonte solar fotovoltaica ultrapassou a soma das fontes nuclear e carvão mineral no Brasil. São mais de 5,76 GW de capacidade instalada solar, ante um total de 5,58 GW de termelétricas movidas a carvão mineral e nucleares somadas.
O Brasil atingiu a marca de 16 GW de capacidade instalada de energia eólica, com 637 parques eólicos. Com isso, a fonte representa 9,3% da capacidade instalada total do Brasil, atrás apenas das hidrelétricas, que somam 103 GW (59,6%).